Aldeia de Arcozelo – Patrimônio ameaçado em Paty do Alferes

Palco do início de uma das maiores insurreições de escravos do estado do Rio de Janeiro no século XIX, o lugar que hoje é conhecido como Aldeia de Arcozelo, no município de Paty do Alferes é uma das referências materiais mais antigas da colonização do Vale do Café e guarda em suas ruínas uma história que começou ainda no século XVIII.

Localizado às margens da RJ-125, há 2 quilômetros do centro de Paty do Alferes, o lugar que outrora foi a imponente fazenda Freguesia do Capitão-Mór Manuel Francisco Xavier, encontra-se em estado precário de conservação e corre um risco muito grande de ruir, destruindo uma parte importante da história e da memória  afetiva do país.

 

Entrada da Aldeia de Arcozelo em Paty do Alferes

 

Com área total de 51.000 m2, o espaço da Aldeia hoje é composto pelo prédio da antiga Fazenda Freguesia, visivelmente danificado e construções mais recentes como um anfiteatro ao ar livre com arquibancadas de pedra e construções que abrigaram a histórica escola de artes de Paschoal Carlos Magno, que morou lá por um tempo.

A Aldeia de Arcozelo foi interditada em razão de uma ação civil pública ajuizada ano passado pelo Ministério Público Federal contra a Funarte (Fundação Nacional das Artes), que é responsável pela administração do espaço, e também contra a União (Governo Federal) e o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). A ação exige que sejam adotadas providências relacionadas à conservação da Aldeia, dentre elas, obras emergenciais nos edifícios que compõem o complexo. Exige  ainda que sejam tomadas medidas administrativas e judiciais pertinentes à desocupação e à regularização das áreas que hoje encontram-se irregularmente ocupadas.

 

Parte do antigo casarão da Fazenda Freguesia

 

Primórdios do Vale do Café

Tombada em 1987 pelo Iphan por meio do processo nº 1256-T-87, a Aldeia de Arcozelo está nas terras da antiga Fazenda Freguesia, do capitão Francisco Tavares, construída nas primeiras décadas do século XVIII. Lá é o berço do surgimento de um dos primeiros núcleos urbanos da região.

Já no início do século XIX, a Fazenda Freguesia passou a ser propriedade do capitão-mór Manuel Francisco Xavier, dono dos escravos Manuel Congo, Epifânio Moçambique e Marianna Crioula que lideraram uma fuga em massa dessa e de outras fazendas do capitão em 1838.

Depois de sair das mãos da família de Manuel Francisco Xavier, que morreu em 1840, a propriedade passou por outros donos, substituiu o café pela criação de gado leiteiro e em 1945 foi transformada em um hotel.

 

O Sonho de Paschoal Carlos Magno

 

Na década de 50 a Aldeia foi adquirida por João Pinheiro Filho e doada ao embaixador Pascoal Carlos Magno para que lá fosse criada uma escola de teatro e um retiro para artistas. Pascoal construiu um complexo cultural chamado Centro Cultural Aldeia de Arcozelo, inaugurado em 1965 composto pelo Anfiteatro Itália Fausta, o Teatro Renato Vianna, duas galerias de arte, biblioteca, restaurante, bar e um espaço destinado à hospedagem. Foi construída também uma capela dedicada à memória dos escravos que viveram ali, entre eles os escravos que participaram da insurreição de 1838.

A Aldeia de Arcozelo hoje é propriedade da FUNARTE e sediava anualmente, até a interdição, o Festival de Teatro Amador do Estado, promovido pela FETAERJ.  

 

Perspectivas…

 

A crise econômica e política atual, o contingenciamento de recursos do orçamento e o momento de instabilidade pelo qual passou o próprio Ministério da Cultura, com mudanças recentes de ministros, dificultaram mais ainda a questão da Aldeia.

Em 2014, o então deputado federal Eurico Júnior (hoje secretário de Educação de Paty do Alferes) articulou uma emenda de bancada no valor de 13 milhões de reais para a reforma da Aldeia de Arcozelo. Segundo ele, a Funarte possuía inclusive um projeto executivo para início das reformas. A verba foi contingenciada.

De acordo com o assessor especial da presidência da Funarte, José Maurício Moreira, após a ação do MP, a Funarte elaborou um Plano de Reforma Emergencial que aguarda ratificação do IPHAN para que possa haver uma licitação. José Maurício acredita que as perspectivas de resolução da situação são positivas.

 

Mais informações sobre a Aldeia de Arcozelo

 

Endereço: Avenida Paschoal Carlos Magno, 450, Arcozelo, Paty do Alferes/RJ

Telefone: (24) 2485 1438 / 2485-0198 / (21) 2533-8090

 

About the Author

José Luiz Júnior
Jornalista, bacharel em turismo, produtor cultural e livreiro. É fundador e editor da Revista Vale do Café.

Be the first to comment on "Aldeia de Arcozelo – Patrimônio ameaçado em Paty do Alferes"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*